quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Aprende a amar-te...

Explica-me porque insistes em procurar a tua felicidade numa relação?
Explica-me porque aceitas qualquer porcaria que se cruze no teu caminho apenas para não estar sozinha?
Explica-me que medo é esse da solidão que te faz depender de algo que nem sequer é real?

Ainda não percebeste que não podes colocar a tua felicidade nas mãos de outra pessoa?
Ainda não aprendeste que só podes ser feliz com alguém quando antes de qualquer outra coisa és feliz contigo própria?
Ainda não aprendeste que não se ama ninguém se não nos amarmos a nós mesmos?
Que quando estamos numa relação sem sentirmos amor próprio nunca nos iremos valorizar o suficiente para que a coisa vá para a frente?

E que ilusão é essa de amor em que bastam meia dúzia de palavras para estares "perdidamente apaixonada"?
Como pode ser amor se serias capaz de o trocar por qualquer outro que te dissesse "amo-te" e te tratasse melhor?

E essa história de que "a vida separou-nos para crescermos e agora voltou a juntar-nos", tretas, tudo tretas. Se não era bom há meia dúzia de anos, se as discussões eram constantes, se dizias que não eras feliz e se escolheste outro caminho, qual é a lógica de voltares a entrar nessa estrada? Esqueceste-te dos buracos que ela tinha? Dos solavancos que te fez dar? Das coisas que disseste quando decidiste ir embora? As pessoas não mudam, não deixam de ser egoistas e egocentricas porque "cresceram" em meia dúzia de anos. Tretas, tudo tretas.
É muito fácil esquecer as coisas más e lembrarmos só das boas, principalmente quando temos medo do futuro e da solidão e achamos que vale tudo só para não estarmos sozinhos.

Mas explica-me, explica-me como se eu tivesse 5 anos. Como se aceita uma relação mais ou menos? Como se aceita qualquer coisa? Como se está com alguém que não sabe nem nos quer valorizar?
(Também, verdade seja dita, se tu não te valorizas porque raio o outro tem de o fazer?)

Acorda, faz terapia, sobe o everest, salta de avião, sei lá, mas acorda para a vida.
Percebe que nenhuma relação nos pode completar se nós não nos sentirmos completas ainda antes da relação aparecer, percebe que a nossa felicidade é única e exclusivamente responsabilidade nossa e que nunca a iremos encontrar fora de nós.
Acorda e percebe que sexo não é amor, que presença não é companhia, que estar só é diferente de estar sozinho e que não é preciso ter medo do futuro, porque se aprenderes a gostar de ti, qualquer que seja o futuro será sempre mais colorido do que uma relação mais ou menos, sem sal nem pimenta, do que uma vida a pensar "falta-me qualquer coisa".

Sim falta, falta a coragem para olhares para dentro de ti, parares de culpar o mundo pelas tuas escolhas e fracassos, aceitares que o passado não se muda e aprenderes com ele e acima de tudo aprenderes a gostar de ti e a mandar as relações mais ou menos irem dar uma curva.

Afinal, nunca ouviste dizer que mais vale só do que mal acompanhado?



Sem comentários:

Enviar um comentário