quinta-feira, 15 de maio de 2014

Quarto ao lado...

Este é um dos meus poemas favoritos e costumo mandá-lo a pessoas que gosto e que perderam alguém.
Hoje partilho-o com vocês...

"A morte não é nada ...
Eu apenas fui para o quarto ao lado.
Eu sou eu, e tu és tu.
Seja o que for que tenhamos sido um para o outro continuamos a ser.
Chama-me pelo meu nome de sempre, conversa comigo da forma espontânea que sempre usaste.
Não uses um tom diferente, não faças um ar forçado de solenidade ou mágoa.
Ri como sempre rimos das pequenas brincadeiras que nos divertiam aos dois.
Brinca … ri … pensa em mim … reza por mim.
Deixa o meu nome continuar a ser o nome familiar que sempre foi, deixa-o ser falado sem ênfase, sem qualquer sombra.
A vida tem todo o significado que sempre teve.
É a mesma que sempre foi
Não houve nenhuma quebra de continuidade.
O que é a morte além de um pequeno acidente?
Porque deveria ficar fora do teu coração só porque estou fora da tua vista?
Eu estou à tua espera, este é só um intervalo.
Algures muito próximo, logo a seguir à esquina.
Está tudo bem."

[Canon Henry Scott Holland]

2 comentários:

  1. Hoje descobri o teu blog :)
    Adorei o poema..dá forças e alento para enfrentar o luto
    Com certeza voltarei
    Paula S.

    ResponderEliminar
  2. Muito, muito bom. Adorei...
    Vou levar :)
    Beijinho

    ResponderEliminar